11.12.05

Domingo

Domingo é um dia triste como uma casa vazia
Tem o gosto do beijo que nunca irei receber
Gatos andando egoístas pelas salas
Escapando pelas janelas
E nos deixando para trás

Domingo é um dia estranho como o chão do mar
Tem a cor de uma chuva fria
Pessoas sentadas nos sofás
Assistindo a vida passar
E vivendo mais um dia que não quer acabar

3 Comments:

Blogger gajomailindo said...

Eu gosto dos meus domingos.

8:01 PM  
Anonymous minina said...

Luiza! Venho lendo e vendo aqui a um tempinho... mas nunca comentei... sei lá pq... mas... domingos... axo q td dia tem gente no sofá deixando a vida ser levada pelas imagens enquadradas... em tds os sentidos...
axo legal o domingo pq descanso, mas na quietude do dia, me pego pensando tb no beijo q nunca dei e em td o q foge pela janela...
mas isso é vida tb... bem ou mal, tamo aê na atividade!!!!
grande bju pra tu:*

9:40 PM  
Blogger Allegro said...

Domingo é o dia mais triste do ano. Modorra de tarde retardada, com alma de dia que parou no rebento da terra quente. Mas domingo é criado em inspiração divina, no sopro do descanso merecido à maldição - porque o trabalho assim foi denominado, uma maldição - e por isso boas coisas aparecem. Existe aquela manga rosa imensa, chupada com fiapos que é doce como mel, existe o pé descalso no quintal esperando a chuva, existe o balançar das árvores ao som do cantarolar do bem-te-vi... domingo é um paradoxo inevitável, tal qual os homens... não? Suas poesias são coisas lindas, bem leves e doces. Sinceras. Voltarei sempre. F.

2:16 PM  

Postar um comentário

<< Home